Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Mau humor crônico pode ser doença. Entenda a Distimia.

January 11, 2017

      Muitos se lembram do antigo personagem Hardy, uma hiena extremamente pessimista que era acompanhada por Lippy, o leão otimista que tentava animá-lo de todas as formas. 
      Todos nós somos capazes de citar algum parente, amigo ou colega de trabalho que se pareça com Hardy. Aquela pessoa que é extremamente pessimista, que está sempre de mau-humor, irritado, cansado, calado, evitando contato social e com dificuldades em manter amizades e relacionamentos. O que muita gente não sabe é que esse indivíduo pode ser portador do que chamamos de Distimia ou Transtorno Depressivo Persistente.

     

 

A Distimia geralmente surge na adolescência ou início da vida adulta e quando não tratada pode evoluir para quadros graves de Depressão Maior.  Possui uma prevalência assustadoramente alta, estimada entre 3 e 6% da população (Seretti, 1999 – Akiskal, 1994 – Avrichir, 2002) e consiste na existência, por pelo menos 2 anos, de humor deprimido na maioria dos dias, na maior parte do dia, além de dois ou mais dos seguintes sintomas: alteração de apetite (aumentado ou reduzido), alteração de sono (hipersonia ou insônia) , fadiga ou baixa energia, baixa autoestima, dificuldade de concentração ou na tomada de decisões e sentimentos de culpa e desesperança. 

      Este quadro se difere da Depressão pois seus sintomas são mais leves e duram mais tempo, o que dificulta que o próprio indivíduo se perceba deprimido e, ainda pior, procure ajuda. Quando o fazem, procuram o clínico geral com queixas de cansaço, alterações de sono e apetite. Geralmente dizem "eu sempre fui assim" e acabam por conviver com estes sintomas por muitos anos, com grandes prejuízos como dificuldade em manter relacionamentos e frequentes faltas ao trabalho. 

      Assim como outros transtornos de humor, a distimia tem tratamento. Após a avaliação individualizada pelo psiquiatra e feito o diagnóstico correto excluindo-se outros quadros clínicos, inicia-se o uso de um antidepressivo adequado para o perfil do paciente e tratamento psicoterápico (com psicólogo). Com o acompanhamento correto e bem orientado, espera-se melhora significativa nos sintomas e, consequentemente, na qualidade de vida do indivíduo. 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2017 por Mente em Foco. 

Fale com a gente (21) 3856-6889

                             (21) 98816-6638

  • Facebook Social Icon

Siga nossa página.

Niterói
R. Mem de Sá, 34 / 901 - Icaraí

São Gonçalo

Av. Presidente Kennedy, 735 / 1104 - Estrela do Norte